30 maio, 2016

LOOK - SUN(DAY) #5




 
 



 
 

TURISTA PÉ DESCALÇO
HUGO COUTINHO

JEANS | ZARA
SARK  |  ZARA
SOCKS  |   PRIMARK
WATCH  |  EGO
COAT  |  PULL & BEAR
SHOES  |  SEASIDE
 
PHOTOCREDITS | Diana Moreira - DILICIOUSBLUSH

25 maio, 2016

BRUXELAS - CAPITAL EUROPEIA | 15% DESCONTO TAP

Para quem tem como objetivo visitar a Europa em todo o seu esplendor, nada como começar talvez por visitar a Capital do Continente Europeu, Bruxelas.

Posso começar por referir de que a Bélgica/Bruxelas, tem como cartão postal sua praça, cervejas e chocolates, por isso deixa a dieta entrar de ferias e aproveita bem estes sabores ímpares e autênticos.
 
Para te movimentares na cidade nada como comprar o bilhete diário do metro, ou então comprar o Brussels Card, que para alem de ter incluído a entrada na grande maioria das atrações turísticas, tem incluído o passe para os transportes públicos, bem como oferece descontos em alguns restaurantes e lojas.



Atenção que a estadia e viagens podem ficar mais caras se estiveres a fazer planos de visitar a cidade em Agosto, pois é nessa época que se elabora um dos mais famosos tapetes de flores no mundo utilizando para isso centenas de milhares de Begônias para preencher 1.800 metros quadrados das mais variadas cores.

PARIS - CIDADE DO AMOR | 15% DESCONTO - TAP

A cidade que mais me surpreendeu pela positiva, tratava-se de uma cidade que não fazia parte dos meus planos de viagem. Não sabendo muito bem explicar o porque, não imaginava nada que me pudesse chamar atenção, e desculpem a minha ignorância, pensava em Paris, e nada me fascinava para partir á descoberta, mas agora confesso que estava redondamente enganado.

Um vez em Paris, só tens que começar a explorar o que por muitos já fora explorado e todos chegam com a mesma conclusão, Paris é a cidade dos sonhos.
 
Se queres realmente comprovar do que te falo dá uma vista de olhos na publicação que fiz após a minha viagem a PARIS,

Cidade dos Sonhos, onde a paixão se transforma em amor, a comida se transforma em gastronomia, e o sonho se transforma em realidade.

 

IR SEM SABER SE VOU VOLTAR


Em tempos achei que a viajar é que me sentia bem, e então fui...
Fui por esse mundo fora, quase como se não tivesse destino,
fui ver, conhecer, viver e mais importante longe de ti fui tentar sobreviver.
E o que é que eu aprendi?
Aprendi que a cada vez que chego, quero ir mas quando lá estou já quero vir...
Mas vou... Vou como tentativa de me libertar e de me conhecer, vou testar limites,
vou com vontade de fugir da responsabilidade.
E assim, quando chego vou conhecer e dar-me a conhecer,
e para me dar a conhecer, invento-me e reinvento-me
 Mas a distância apenas serve para despertar a saudade,
saudade que serve para desejar a hora do regresso,
Um regresso reinventado e responsável, quase como quem nunca chegou a partir.

 

23 maio, 2016

LOOK - SUN(DAY) #4










BLAZER  |  ZARA
JEANS | ZARA
SARK  |  UNDER BLUE
SOCKS  |   CALZEDONIA
BRACELET  |  GUGA
BELT  |  SPRINGFIELD
SCARF | GREGscarf
WATCH  |  FOSSIL
SHOES  |  MANUEL ALVES
GLASS  |  CARRERA

PHOTOCREDITS | Diana Moreira - DILICIOUSBLUSH

16 maio, 2016

LOOK - SUN(DAY) #3





Coat | Pull & Bear
T-Shirt | Springfield
Pans | Zara
Sneakers | Adidas
Watch | DEEP - PARQUE NASCENTE
Glasses | Carrera

PHOTOCREDITS | Diana Moreira - DILICIOUSBLUSH 

13 maio, 2016

AMOR DE BANCADA



Prepara-se o jogo, como se fosse última investida para a chegada ao primeiro lugar na Liga do Amor, onde as duas equipas se convertem em apenas duas pessoas e o árbitro se torna os rumores da sociedade.

Luto a cada jogo tal como luto a cada dia que vivo o amor como ele tem que ser vivido,
em que um passe falhado ou uma falta cometida se refere a uma frase mal dada ou um apunhalar do sentimento e confiança da pessoa que me completa.
E aí...
Aí vem a primeira advertência com um cartão amarelo, como forma de aviso que também ela te quer ter presente no jogo, mas para isso tens que saber jogar, onde amas de verdade e sabes respeitar o jogo da equipa adversária.
O jogo continua a bola rola para um lado e rola para o outro, ambos achamos que temos o domínio da situação até que em mais uma investida menos calculada vem a sociedade relembrar que o amor tem que ser vivido e partilhado com respeito mutuo como se de uma final se tratasse.
Porque também ela comete faltas e erra passes pela falta de compreensão, e aí vens tu, que com medo de te lesionares, és o primeiro a mostrar a tua indignação, até que mais uma vez a sociedade vem para acalmar os ânimos e antes de mais um cartão amarelo, adverte-te que também no Amor se erra se cometem faltas graves e menos graves mas como ser humano que somos sabemos manter o controlo da situação e levamos a bola para a frente em mais um contra-ataque.
É um jogo aceso e onde não há intervalo e os noventa minutos se podem converter numa eternidade ou então termina o jogo com o primeiro cartão vermelho.
E o tempo vai passando, e com o aumentar da confiança de cada equipa, é marcado o tão esperado golo que volta a reavivar o jogo.
É Golo, É Golo, É Golo...
E é aqui que algo inédito acontece, ambas as equipas festejam efusivamente, sem que nenhuma se sinta derrotada ou em desvantagem no marcador, porque o Amor é para ser celebrado em conjunto e vivido em harmonia onde nenhum gosta mais que o outro, mantendo-se neste jogo seja na vitória ou na derrota.
É como se mais um nível se tivesse passado, e dado o ponta pé de saída, continuamos a fazer do Amor um Jogo de Futebol, em que a cada remate chutamos as tristezas, nos dribles ultrapassamos a dificuldades, e a cada golo celebramos o Amor com toda a alegria que o futebol proporciona.

Eu também fui um Jogador que leva algumas advertências e já me mostraram alguns cartões.
Chegando a ponto de subornar o arbitro com receio de incorrer numa expulsão,
desta festa que é o Amor.

 

12 maio, 2016

NUMA VIAGEM AO DESERTO


Foi uma viagem um tanto ao quanto atribulada e repleta de sentimentos mistos, no entanto não posso deixar de recomendar, pois vais viver uma experiência completamente diferente, onde irás conseguir ver coisas e paisagens que já mais te teriam passado por a cabeça ou imaginarias que algum dia ias ter oportunidade de ver. 

Mas como referi logo no inicio e tal como no dia a dia da vida de cada um, há trabalho e sacrifícios a fazer, ou neste caso há uma viagem a fazer, uma longa viagem por sinal.
O Tour em que participei, faz a viagem num mini bus que apesar de reunir boas condições, para chegar a Zagora necessitas de (+/-) 7 horas de viagem, mas não são seguidas, fazes algumas paragens durante o percurso. Paragens por sinal bastante interessantes e únicas, como por exemplo Ouarzazate (Ouarzazate é uma cidade do sul de Marrocos, apelidada popularmente de porta do deserto).


A Primeira paragem e talvez a paragem das paragens mais curtas que fizemos foi nas Cordilheiras do Atlas, a uma altitude de 2600 metros. Estas cordilheiras estendem-se ao longo de 2400 Km no noroeste da África, através de Marrocos, Argélia e Tunísia. Por isso dá para imaginar onde é que perdes maior parte do tempo da viagem.


Após mais alguns Km's finalmente chegamos a Ouarzazate, mas não o fim da viagem de ida.

Em Ouarzazate, foi-nos feita uma visita guiada à cidade antiga, local ainda moram cerca de 50 pessoas mantendo a cultura Berbere. Aqui sem duvida tem muito que ver/fotografar, por isso fica atento aos detalhes que lá são imensos (como vais poder perceber nas imagens que vou deixar). 

Esta era uma cidade de passagem para todos os viajantes e comerciantes que vinham do sul de África, agora é um dos cenário mais usados por realizadores de cinema de todo o mundo. Lá foram filmados algumas das cenas dos filmes como, Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo (2010), Asterix e Obelix - Missão Cleópatra (2002), Gladiador (2000), A Múmia (1999), entre muitos outros de renome mundial.




Depois de almoçar em Ouarzazate e terminar a visita, partimos mais uma vez, agora como destino final a entrada no deserto do Saará.
Aqui sim é que começas de facto a viver a verdadeira experiência. Primeiro com uma viagem de cerca de uma hora de camelo/dromedário, depois por ficares alojado num acampamento Berbere e ter uma pequena "festa" à noite por pessoas que seguem a tradição Berbere,podendo ainda ver o pôr e o nascer do sol no meio do deserto.


Agora após um madrugar para poder ver o Nascer do Sol (nós não tivemos essa oportunidade porque as condições meteorológicas não o permitiram), dá-mos inicio à viagem de regresso onde temos mais uma hora de viagem de camelo/dromedário à nossa espera e de seguida mais 7 horas de mini bus até chegar a Marrakech. No entanto tal como acontecera na viagem de ida, na viagem de volta também vamos fazendo algumas paragens quer para descansar da viagem quer para conhecer outras aldeias e cidades.




Depois de dois dias de viagens, experiências, conhecimentos e partilha chegamos finalmente a Marrakech.

É cansativo? - Sim é, mas valeu cada minuto e cada disparar da máquina fotográfica, pois vi e vivi uma experiência que era quase como um sonho que já mais teria ideia que se tornaria tão fácil  de realizar ou que algum dia o iria poder viver.

Aproveita a vida sonhando em viajar e viajando para te libertar